sábado, 12 de fevereiro de 2011

*> (20) Romantismo em Portugal(1825 a 1865)

Romantismo

I – Final do século XVIII, na Europa e nas Américas, nota-se que os gêneros literários pecaram pela artificialidade. As grandes lutas e as conquistas liberais que os homens ralizaram durante o século XVIII e princípio do século XIX, somente poderiam encontrar meios adequados de expressão, fora dos modelos rígidos do Classicismo, Assim surge uma literatura transbordante, impetuosa e insubmissa fundamentada na liberdade criadora artística.

II- O nome Romantismo vem de um certo tipo de composiçao poética de origem medieval os “romances” que eram narrativas de aventuras, heroísmo e amor.

III- O começo do movimento romântico está situado na Alemanha e na Inglaterra, em fins do século XVIII. Desenvolve-se rigorosamente na primeira metade do século XIX.

IV – Características gerais: imaginação/ liberdade de criação e modelos/ ausência de normas e modelos/ subjetivismo/ individualismo/ evasão ou escapismo/ consciência da solidão/ culto a natureza/ gosto pelo pitoresco/sonho/ reformismo/ idealização da mulher/ exagero/ânsia da glória/ religiosidade/ nacionalismo/ retorno ao passado/ gosto pelo noturno/ o drama substitui a tragédia e a comédia.

V – Romantismo em Portugal (1825/1865)

- 1825 – publicação do poema narrativo Camões, de Almeida Garrett, em que o autor apresenta um biografia sentimental do grande poeta renascentista português.
- 1865 – ocorrência da Questão Cimbrã, uma polêmica intelectual que envolveu escritores românticos e escritores novatos. Tem esse nome porque centralizou-se em Coimbra, cidade portuguesa que abriga uma das mais antigas universidades da Europa.
Nesse contexto ocorrem as primeiras manisfestações do Romantismo português que se desenvolveu em três momentos distintos:

1º momento – escritores com características ainda neoclássicas:

Almeida Garrett (1799/1854) – Camões (1825) / Dona Branca (1826) / Folhas Caídas (1853) poeisa / Viagens na minha Terra (1846) prosa / Frei Luís de Sousa (1844) teatro
Alexandre Herculano(1810/1877) – O Bobo (1843) / Eurico, o presbítero (1844) / O monge de Cister (1848) / Lendas e narrativas (1851)
Antônio Feliciano de Castilho (1800/18750) – A noite do castelo (1836) / Os ciúmes do bardo (1836)

2° momento – Escritores plenamente românticos

Soares de Passos (1826/1860) – Poesias (1855)
Camilo Castelo Branco (1825/1890) – Amor de Perdição (1862) / Amor de Salvação (1868) / A doida do Candal (1867)

3° momento – Escritores de um romantismo mais contido

João de Deus (1830/1896) – Campo de Flores (1893)
Júlio Dinis (1839/1871) – As pupilas do senhor reitor (1867) / A morgadinha dos canaviais (1868) / Uma família inglesa (1868) /Os fidalgos da casa mourisca (1871)

2 comentários:

  1. Aqui é o começo de um novo estilo. Um estilo literário que busca a liberdade de expresão,onde a imaginação transborda. A idealização das mulheres e as criticas sociais ficam evidentes em cada obra lida. É um bom começo para refletirmos sobre uma época que passou, mas deixou sua marca em nossa história.

    ResponderExcluir
  2. muito legal professor vai ser bem utilitário esse blog :D

    ResponderExcluir